Sem estoque Informe o seu e-mail e o notificaremos assim que o produto chegar em nosso estoque:


Enviar
Out of stock!
Insira seu e-mail para ser informado quando este produto chegar:
Enviar Fechar

Home

OFERTAS DO NANDO

Até 25%

Reivindicação dos direitos das mulheres - O primeiro grito feminista

Reivindicação Dos Direitos Das Mulheres - O Primeiro Grito Feminista

Mary Wollstonecraft

Reivindicação dos direitos das mulheres - O primeiro grito feminista
Imagem do Livro

Mary Wollstonecraft

Reivindicação Dos Direitos Das Mulheres - O Primeiro Grito Feminista

Editora: Edipro

De R$ 53,00 por:
R$ 42,93
Quantidade
Disponibilidade: Em Estoque
Comprar
R$ 42,93 no cartão em até 6x de R$ 7,16 s/ juros

CARTÃO

Dividimos em até 6x

FRETE

Confira nossa política de frete

Sinopse

Primeira obra feminista, este tratado publicado em 1792, ainda se encaixa no debate contemporâneo, por sua relevância inquestionável: planta a raiz do pensamento feminista e da emancipação política das mulheres. Atualmente o debate sobre a igualdade de gênero está consagrado e vivo na sociedade. As mulheres estão cada vez mais conscientes de seu papel e de sua importância no mundo. Apesar de várias batalhas vencidas, a guerra por igualdade de gênero ainda é uma realidade que se arrasta desde a primeira publicação deste texto, quando o termo "feminismo" ainda não existia. Mary Wollstonecraft, em resposta a figuras renomadas como Jean-Jacques Rousseau, John Gregory e James Fordyce, argumenta em direção à necessidade de educação e autonomia da s mulheres. Sua posição equilibrada e ainda marcada pelos traços culturais de sua época retratam uma mulher religiosa, esposa e mãe; contudo, revoluciona ao exigir que, pelo seu comportamento racional e respeitoso, a mulher merecia os mesmos direitos que seus companheiros. Uma de suas bandeiras também foi o amor livre, casou-se com o filósofo William Godwin, um dos pais do movimento anarquista. Morreu 10 dias após dar à luz sua segunda filha, Mary Wollstonecraft Godwin, que também se tornaria um a escritora, com o nome de Mary Shelley, a autora de Frankenstein.