Sem estoque Informe o seu e-mail e o notificaremos assim que o produto chegar em nosso estoque:


Enviar
Out of stock!
Insira seu e-mail para ser informado quando este produto chegar:
Enviar Fechar

Home

OFERTAS DO NANDO

Até 25%

Da produção de segurança

Gustave De Molinari

Da Produção De Segurança

Editora: Instituto Mises Brasil

De R$ 19,90 por:
R$ 17,11
Quantidade
Disponibilidade: Em Estoque
Comprar
R$ 17,11 no cartão em até 6x de R$ 2,85 s/ juros

CARTÃO

Dividimos em até 6x

FRETE

Confira nossa política de frete

Produtos Relacionados

Sinopse

A introdução a este formidável trabalho foi feita por Murray Rothbard, que classifica o francês Gustave de Molinari (1819 — 1912) como o grande inovador da teoria da oferta de serviços de segurança pelo mercado.  Com efeito, ele pode ser considerado o primeiro proponente do chamado anarco-capitalismo.

Molinari foi profundamente influenciado pela tradição liberal-clássica de Bastiat e sua visão de mundo; consequentemente, ele se tornou um devoto defensor da propriedade privada e do livre mercado.  No entanto, Molinari foi ainda mais longe e expandiu a lógica dos argumentos às suas últimas consequências, concluindo que o mercado também era melhor para prover aquele serviço que o estado alegava ser seu monopólio: a segurança.

Desta maneira, sua contribuição ímpar foi a de nos distanciar da falsa suposição de Hobbes de que, por alguma razão, o estado seria necessário para evitar que a sociedade se degenerasse no caos.  Ao contrário, argumenta Molinari, a sociedade voluntária é a fonte da ordem, a qual se origina na própria liberdade.  Não há nenhuma contradição, ou mesmo tensão, entre a liberdade e a segurança.  Se a livre iniciativa funciona bem em um setor, ela também pode funcionar bem em outros setores.

Molinari era de fato um radical, mas no sentido de ter prenunciado como seria a evolução do pensamento libertário: um radical na defesa do capitalismo em todas as áreas da vida, que é apenas outra forma de dizer que ele era um consistente defensor da sociedade completamente livre.

Talvez possa ter existido uma época em que as pessoas poderiam considerar benigno o monopólio do governo sobre a polícia e os tribunais, uma atribuição indelével do estado defendida pelos liberais-clássicos dos velhos tempos.  Mas o inexorável avanço do estado policial alterou esta visão: agora estamos mais aptos a entender que os serviços de "segurança" estatais são a mais grave ameaça à liberdade que podemos enfrentar.

Neste sentido, Molinari é o homem do momento.